Leitura para imergir

* Por Sheron Neves, colunista do blog da Escola de Criação

Se você estuda ou trabalha com publicidade, marketing, cinema, TV, webdesign ou produção de conteúdo em geral, aqui vai uma dica de livro que pode mudar sua vida. O excelente “The Art of Immersion: How the Digital Generation is Remaking Hollywood, Madison Avenue and the Way We Tell Stories”, de Frank Rose. Lançado em hardcover em fevereiro do ano passado, acaba de ser lançado em formato paperback (com direito a sessão de autógrafos hoje na SXSW).

“The Art Of Immersion” já faz parte da lista de leituras mandatórias nos cursos de comunicação e marketing no Reino Unido e EUA (incluindo a disciplina de Narrativa Transmídia do professor Henry Jenkins, na University of South California). Infelizmente ainda não foi traduzido para o português, mas acredito que em breve teremos nossa versão.

Frank Rose escreve sobre como, numa época em que histórias estão se tornando jogos, e jogos estão se tornando histórias, o real e o fictício começam a se confundir. Os limites entre narrador e audiência, conteúdo e marketing, ilusão e realidade antes claros, começam a se misturar.

“Existe hoje um novo tipo de narrativa, que não apenas entretém; ela leva à imersão, é participativa, lúdica, e leva o público bem além do que um drama de uma hora ou um comercial de trinta segundos permite.”

A teoria de Rose está ligada ao conceito de convergência midiática e cultural de Jenkins. O autor defende que não podemos mais ser chamados de telespectadores. O termo correto na atual ambiente transmídia é participante.

“Numa época em que assistimos mais televisão do que nunca, a forma como assistimos está mudando. Filmes, séries e comerciais de TV são hoje convites para participar – são experiências para imergir.”

Usando inúmeros exemplos, de Charles Dickens a Super Mario Bros., de The Matrix aos ARGs promovidos por marcas, o autor demonstra o que acontece com o nosso cérebro quando “imergimos” em uma história, e como o storytelling pode trabalhar a favor de uma marca quando usado de forma inteligente.

Gostou? Compartilhe: