“Vá de Bike”, o manifesto dos alunos do Curso de Criação

va-de-bicicleta-para-o-trabalho-38-594

No último sábado, os alunos do Curso de Criação viveram um dos momentos mais inspiradores na ação/aula do módulo ministrado pelo professor (e nosso colunista) Zico Farina. Para finalizar o módulo, a turma saiu para o entorno da Usina do Gasômetro e em cruzamentos próximos ao acampamento da Semana Farroupilha no Parque Harmonia. E no que consistia esse “passeio”? Zico mesmo nos conta:

“Na minha primeira aula desse módulo, falei para a turma: essa aula é para inspirar você. Decupamos o livro do George Lois, um verdadeiro Mad Men, que com o seu trabalho revolucionou a indústria da comunicação a partir dos anos 60 nos Estados Unidos. O livro Good Damn Advices ( For People With Talent ) é um copilado de dicas dessa criativo que se auto-intitula um provocador. Se você pode ser um provocador, por que se contentar com menos, dizia George Lois. Discutimos as dicas e no segundo período da aula, propus uma atividade. Aproveitando a eminência das eleições, como a gente poderia chamar atenção para uma questão prioritária nas grandes cidades: o transporte tradicional versus novas formas de locomoção. Surgiu a ideia de trabalharmos com as bikes. For a o modismo em torno do assunto, a questão é fundamental de ser tratada: as bikes são uma opção como meio de transporte.”


A turma foi divida em dois grupos e cada um surgiu com propostas. Zico explicou que aí então optaram por fazer uma ação: criar balões, iguais aos de desenho animado, com uma frase: Vá de bike. Esses balões em forma de adesivos, que por sua vez, foram colados em cavaletes de propaganda política, como se colocássemos na boca de cada candidato a proposta: vá de bike.

“A nossa acão de guerrilha queria chamar atenção para o problema do trânsito e ao mesmo tempo chamar para o debate, usando o lado lúdico para falar de um assunto sério. O século passado foi o século do automóvel, as cidades foram criadas para abrigá-los, hoje isso está completamente ultrapassado. Fomos para as ruas, procurando lugares com grande visibilidade e boa visualização: usamos os cavaletes próximos a Usina do Gasômetro e um cruzamento próximo ao acampamento da Semana Farroupilha no Parque Harmonia. Registramos com fotos e videos e o material sera copilado e divulgado nas redes sociais. Os alunos foram responsaveis por todas as etapas: criação, produção e “veiculação”. Tão importante quanto fazer a ação é dar ao aluno o mérito de realizar. De acabar o módulo com algo materializado e não só teórico. Esse é o meu objetivo na ESPM, trocar experiiencias e fazer com que todos se sintam parte de algo concreto. Fazer é libertário. Fazer é fundamental. E eles fizeram”
, sintetiza.

Mais do que inspiração, os alunos do curso tiveram a oportunidade de unir vozes em torno de um assunto que é muito fácil de ser colocado no papel mas dificilmente posto em prática, principalmente pelos políticos.

A ação foi super bacana, pois a turma toda se envolveu, todos por uma causa que antes era até pequena para cada um. Parece que acordamos para uma situação que pode ser muito útil, para nossas vidas. Ao colar os adesivos ficamos todos muito entusiasmados, e sentimos que de certa forma interferimos na política, participamos disso, não só votando ou anulando. Luisa Rossi

Em plena época de eleições, sentimo-nos atingidos com a poluição causada pelos candidatos e seus cavaletes e cartazes, prejudicando ainda mais os espaços dos pedestres que, digam-se de passagem, já não estão em boas condições.Se para eles isso não importa, para nós é de vital importância. Se eles não falam, a gente fala por eles. E falamos. Fomos pra rua e achamos uma real utilidade para os “obstáculos políticos”. Os dizeres “Vá de Bike” resumem tudo o que queremos dizer. Tá nervoso? Vá de bike. Muito engarrafamento? Vá de bike. Quer fazer exercícios? Vá de bike.
Quer passear? Vá de bike.
Mayko Martins

Já que alguns cavaletes acabam atrapalhando e sujando a cidade, porque não aproveitar a deixa e mandar um recado neste momento? Sábado foi a oportundiade de uma pequana parte de Porto Alegre observar uma ação por uma cidade, um Estado e quem sabe, um país mais conciente. Guilherme Petry

Zico e os alunos também criaram um manifesto:

Os cavaletes, as bikes e os novos veículos.

Durante as eleições, as calçadas que já são mal conservadas, esburacadas, apertadas, com falta de sinalização são tomadas por cavaletes com propaganda política. Os cavaletes são veículos. Eles estampam rostos sorridentes que assim que acabar as eleições, desaparecerão para se trancarem em gabinetes e esquecer as ruas. A nossa ideia é pegar carona nos cavaletes para levantar um causa que deveria ser de todos os candidatos: o uso da bike. Além é claro do incentivo ao transporte alternativo, a criação de ciclovias permanentes e a melhoria das calçadas. A gente quer colocar na boca de cada candidato essa proposta. E vamos.

Esta ação foi toda registrada com fotos e vídeos e o material será copilado e divulgado aqui no blog da Escola de Criação nas redes sociais. O mais bacana de tudo: alunos foram responsáveis por todas as etapas: criação, produção e “veiculação”. Curtiu? Para saber mais sobre o curso de Criação, clique aqui.

Gostou? Compartilhe: