É possível fotografar nossa aura?

Uma fotografia da nossa alma. É possível nas mãos de Carlo Van de Roer foto: reprodução

Enquanto alguns fotógrafos se dedicam a clicar paisagens, animais, pessoas e objetos, outros poucos vão bem além do que podemos ver a olho nu. É o caso de Carlo Van de Roer. Em busca de algo mais do que a simples captura do visível, o fotógrafo neozelandês também adicionou as suas fotografias um olhar sobre a aura ou a energia das pessoas.

Para isso, ele faz uso do AuraCam 6000, que inclui dois sensores de mão que estão ligados por meio de cabos, com a câmera. Filme de Polaroids são colocados na câmera e ajustadas e alinhadas com o sujeito da foto. Na tentativa de registrar a “alma” dos seus modelos e como eles estavam se sentindo no momento da foto, Carlo consegue captar belos resultados e, incitar uma boa discussão sobre espiritualidade.

Este tipo de trabalho faz parte de uma área na fotografia chamada de “Aura fotografia”, algo bem novo, um tipo de foto da “alma”. Este artifício é uma evolução de conceitos a partir de dispositivos como o do raio-X, em que uma imagem analisa e documenta aspectos “invisíveis” do nosso corpo. O projeto também tem como característica o menor envolvimento possível do fotógrafo com o fotografado, inclusive, para que role a imagem, é preciso apenas apertar um botão, o que implica a mediação mínima entre os dois.

De acordo com as cores predominantes na fotografia da alma da pessoa, é possível criar certas relações com seu chamado “estado de espírito”. Normalmente, o azul representa sentimentos, emoções e instinto; verde quer dizer crescimento, cura e abundância. O amarelo representa o otimismo, a juventude e os sonhos, enquanto laranja tem como destaque bondade, vitalidade e comunicação. Uma pessoa de aura vermelha muitas vezes é dinâmica e criativa, mas nervosa.

Qual será a cor da sua alma?

Gostou? Compartilhe: