Fotografia, só que não! (Parte II)

Parece fotografia, mas não é: uma seleção absurda de artistas hiper-realistas e suas obras de tirar o fôlego foto: reprodução

Como mostramos ontem, o hiper-realismo é uma técnica de pintura ou desenho que consiste em reproduzir uma imagem da maneira mais fiel possível. E isso significa literalmente impressionar pela riqueza de detalhes e, em um primeiro olhar, nem parecer que foram feitas à mão.
Se pintura e fotografia não se confundem, a imagem fotográfica é um recurso permanente dos “novos realistas”, sendo utilizada de diversas maneiras. A foto é usada, antes de tudo, como meio para obter as informações do mundo, pinta-se a partir delas.

Separamos mais alguns artistas que aplicam essa técnica com maestria.
E lembre-se: para ver mais do trabalho de cada um, basta clicar em cima do nome de cada um!

Curte só:

Rajacenna: talento aos 18 anos
A menina está acostumada a ser precoce. A holandesa, nascida em 1993, começou a trabalhar como modelo aos 4 anos de idade, e aos 5 fez suas primeiras aparições na televisão. Ela estrelou filmes, novelas e seriados e aos 12 anos tornou-se apresentadora do Kinderjournaal. Porém, foi só em 2009 que Rajacenna decidiu dedicar-se aos desenhos, e começou a produzir ilustrações incríveis. Ela leva cerca de 40 horas para completar cada um dos desenhos. Ufa!

Steve Mills: simplicidade bucólica
O americano Steve Mills sempre foi obcecado pela busca do realismo em seus desenhos. Quando tornou-se pintor, durante seu estudos de paisagens, descobriu o hiper-realismo e apaixonou-se.
As obras de Steve Mills demonstram uma paixão pela vida e um gosto em encontrar a beleza nos pequenos detalhes. O próprio artista define seu tema favorito como “o comum incomum” ou “o ordinário extraordinário”.

Hubert de Lartigue: a força da sensualidade
O francês Hubert de Lartigue já foi ilustrador de livros e desenhista de pin-ups. Não satisfeito, ele resolveu expressar todo seu deslumbramento pela beleza feminina, nas suas manifestações mais simples, através de suas pinturas hiper-realistas.

Hynek Martinec: a pessoa por trás da imagem
O tcheco Hynek Martinec captura em suas pinturas hiper-realistas as texturas da personalidade e psique dos retratados. Quase podemos compreender as pessoas que estão sobre a tela, com suas deficiências e medos. O artista já viajou por vários lugares do mundo, e pintou pessoas das mais diversas nacionalidades, crenças e idades – o que só fez crescer o seu talent.

Tjalf Sparnaay: para comer com os olhos
Difícil olhar para os quadros de Tjalf Sparnaay e não ficar com água na boca. O artista, influenciado por grandes pintores como Johannes Vermeer e Rembrant, nos apresenta alimentos cotidianos tão cheios de presença que podemos quase saboreá-los: os seus pães são crocantes, suas carnes, suculentas, e seus doces, apetitosos. mangia que te fa benne!

Gostou? Compartilhe: