Cascão em calçadas vira alerta para desperdício de água

cascao-movimento-nao-quero-agua

Uma galera vem espalhando desenhos do personagem Cascão da Turma da Mônica pelas ruas da capital paulista.  O primeiro deles foi feito na Avenida Paulista, em frente ao Shopping Center 3. De lá para cá o movimento já fez cerca de 70 desenhos pela cidade. Mas o que significa esse desenho, afinal?

Quem já viu, reparou que além do Cascão, o desenho vem acompanhado de um balão de fala com a frase “Não quero água!”, justamente com o intuito de alertar as pessoas para que não lavem as calçadas. Não há necessidade de lavar a rua no momento em que o estado vive uma crise no abastecimento de água, certo?

Pensando nisso, um grupo formado por pessoas entre 20 e 30 anos começou um movimento de conscientização colocando no asfalto um personagem que tem pavor de água nas vias mais movimentadas da capital. “A figura do Cascão é de fácil entendimento, logo a mensagem é compreendida por pessoas de todas as idades”, afirma um integrante do grupo identificado como Colé.

A foto do flagra foi postada na conta criada pelo grupo no Instagram (@naoqueroagua), que atualiza diariamente os seguidores sobre a ação. “Muita gente acha que alteramos as fotos quando mostramos que, enquanto fazíamos o desenho, alguém molhava a área. Não é coincidência, é o hábito da população que não mudou”, critica. Segundo Colé, as pessoas do grupo são ligadas ao ramo das artes e da comunicação e preferem atuar na madrugada para não atrair a atenção. “Não temos medo de represália, até porque, quando explicamos o que estamos fazendo, as pessoas nos apoiam”.

Tanta empatia da população pela ação de racionamento rende hoje, além de sugestões de endereços para fazer os desenhos, algumas “denúncias” enviadas pelo Instagram, sobre pessoas que desperdiçam água por aí.

A produção dos desenhos é feita com um molde em estêncil e tinta spray. Tudo bem simples para dar mais agilidade ao processo. Colé diz que a ação vai continuar. “Enquanto estivermos recebendo esse retorno das pessoas, continuaremos com o projeto”.

Gostou? Compartilhe: