Fotógrafo da família real, Revert Klumb registrou o cotidiano do Rio de Janeiro no início do século 19

klumb-c

O fotógrafo Revert Klumb chegou ao Rio de Janeiro em 1852. Durante os anos que passou no Brasil, dedicou-se a registrar o cenário da capital, na época, seus espaços em transformação, a vida nas ruas e as paisagens. Chegou a ser fotógrafo da Casa Imperial do Brasil. Inclusive, deu aulas para a Princesa Isabel neste período. As cidades do Rio de Janeiro e de Petrópolis – a última, onde vivia a família imperial – foram retratadas de forma espontânea, com a captura de sua movimentação natural, sem oficialismos incluídos na composição.

Nos dois lugares, Revert retratou o cenário urbano, os edifícios públicos e as residências. E sendo fotógrafo da família imperial em Petrópolis, boa parte do seu acervo diz respeito às nuances da cidade nessa fase. No início do século 19, Petrópolis ainda era uma cidade recém-criada, e em suas fotografias, o alemão consegue ambientar muito bem como ela ainda estava nascendo, captando imagens de um município em construção.

Klumb foi ainda um dos introdutores da estereoscopia no Brasil. A técnica consiste em fotografar com duas câmeras ao mesmo tempo. Quase idênticas, as imagens são vistas em um estereoscópio. O aparelho, semelhante a um binóculo, faz com que o pequeno deslocamento que há entre as imagens crie um efeito tridimensional. Algo inovador para a época.

Gostou? Compartilhe: