John Hughes, o cara que inventou a adolescência dos anos 80

john-hughes

Hoje fez cinco anos que John Hughes partiu deste mundo para nos deixar com saudades de suas produções épicas. Entre 1984 e 1986, Hughes dirigiu uma série de filmes marcantes: Gatinhas e Gatões, Clube dos Cinco, Mulher Nota 1000 e Curtindo a Vida Adoidado, além de ter escrito A Garota de Rosa Shocking, dirigido por seu parceiro, Howard Deutch.

Hughes criou um estilo particular de filmar comédias adolescentes. Utilizava o recurso da metalinguagem em muitos deles (aquelas partes em que os personagens falam diretamente para a câmera), trilhas sonoras impecáveis e uma atmosfera que misturava picardia com uma boa dose de nostalgia.

O caso de Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Bueller’s Day Off) extrapolou todas as expectativas do que poderia ser a repercussão de um filme. Simplesmente um épico e uma obra quase unânime.  Talvez seja um dos exemplos mais usados em listas de “filmes da vida” para quem cresceu nos anos 80 e 90. Igualmente amável, o Clube dos Cinco (The Breakfast Club) conta sobre o dia de cinco adolescentes completamente diferentes que ficam confinados na biblioteca da escola, cumprindo detenção em um sábado. Após tantos embates e desconstruções de estereótipos, nos perguntamos se o grupo continuará unido na escola enquanto somos embalados pela música “Don’t you (forget about me)” nos créditos finais. Assim como Clube dos Cinco, seus filmes mantinham o ar juvenil acrescentado às incríveis descobertas de que todas as pessoas são interessantes em cada longa-metragem.

Acontece que a festa acabou no início dos anos 90, quando Hughes largou a maratona de filmes e sumiu de Hollywood. Resolveu voltar para os arredores de Chicago, onde cresceu, e nunca mais dirigiu um único filme. Em 1994, depois da morte do amigo John Candy, com quem filmou Antes Só Do Que Mal Acompanhado, Hughes tornou-se ainda mais recluso. O documentário Don’t You Forget About Me fala sobre John Hughes sob esse ponto de partida e mostra o esforço dos cineastas para encontrá-lo.  A Sessão da Tarde nunca mais foi a mesma sem ele e por isso seus filmes figuram hoje como novos clássicos. Veja o trailer do documentário  sobre Hughes:

Gostou? Compartilhe: