Storytelling e Transmídia na Semana ARP, com Sheron Neves

sheron-neves-arp.png

Uma das novidades este ano na Semana ARP de Comunicação são os workshops, criados especialmente para o evento que reúne profissionais do mercado em um lugar de convergência, onde os temas que pautam o mercado estão em discussão. Por isso a Sheron Neves, publicitária, professora da ESPM-Sul e colunista desse blog foi uma das convidadas para falar de um tema super atual que tem feito cada vez mais parte do dia a dia das marcas: Storytelling e Transmídia.

Com a cultura da convergência, são muitas as oportunidades que surgem para marcas que souberem engajar um público sedento por conteúdo e participação. Mas como captar a atenção de um consumidor saturado de informação? Entretenha-o. Conte uma história e convide-o a imergir nela via diferentes plataformas”, frisou Sheron Neves em seu workshop no Hotel Sheraton, em Porto Alegre.

Sheron explica que não basta saber contar uma historia, é preciso interagir com as pessoas, e disso ela entende e sabe muito bem que não faltam ferramentas para tal realização. Em resumo, se a marca souber se utilizar bem das diferentes linguagens e plataformas para contar histórias de interesse do público, a relação entre marca e consumidor  ganha novas e estimulantes experiências. Storytelling, salienta Sheron, é algo desperta naturalmente a atenção das pessoas desde os primórdios da humanidade porque contar histórias sempre pautou nossa cultura – desde a infância – e hoje, pode ser usada para aproximar marcas de pessoas, humanizando-as e criando conexões além do consumo com o público. Se as pessoas estão perdendo o interesse pela publicidade, não seria natural que a publicidade fosse beber do cinema e da literatura?

Proporcionar experiências diferentes e estimulantes é um grande desafio para todas as empresas, porém, o recado de Sheron ainda vai além do uso da linguagem adequada para comunicar. O bom e velho pensar fora da caixa dá seu alô novamente para avisar em um comercial, por exemplo, discurso de uma marca não precisa que o produto apareça ou que ela tenha relação direta com ele: “É importante saber brincar com os conceitos da marca, daí as possibilidades triplicam”, comenta ela sobre os infindáveis assuntos a serem abordados se abrimos nossa mente a ideias não relacionadas diretamente ao produto. Na oportunidade, Sheron aproveitou para mostrar cases bacanas que souberam abordar muito bem temas interessantes, gerando engajamento e interatividade com as pessoas. Um grande exemplo de interações em cadeia mostrado por ela foi o surgimento do Vine, um vídeo curto, em formato caseio ou não, representante dessa era de imagem, mensagem e interatividade.

Quer saber mais sobre o assunto?  Acesse os posts da Sheron aqui.

Gostou? Compartilhe: